Browsing Tag

cancer de mama

Câncer

Outubro Rosa | Faça sua parte!

31 de outubro de 2016
outubrorosa3

O câncer de mama pode se manifestar de diversas formas, e conhecer seus principais tipos ajuda a compreender melhor o que está acontecendo. O diagnóstico positivo é sempre uma notícia impactante, mas é importante estar bem informada para conversar com o oncologista e seu médico sobre as opções de terapias disponíveis e mais apropriadas para o seu caso. Há os tumores mais e os menos agressivos, e os que crescem mais ou menos rápido, por exemplo.

Uma série de características vai permitir ao médico indicar o tratamento mais adequado, aquele com maior chance de trazer a cura no menor tempo possível, minimizando os riscos de recaída. Muitas vezes, porém, a paciente não fica sabendo o que significam tantos termos técnicos e quais são suas implicações, o que tende a aumentar ainda mais sua angústia nesse momento tão delicado. Não deixe de conversar com o seu médico para acompanhar todos os passos do tratamento!

Chegamos ao final do #OutubroRosa, esperamos ter contribuído com informações para lhe ajudar na prevenção e luta contra o câncer de mama, faça sua parte!
Proteja-se, previna-se! E conte sempre conosco!

Referência consultada:
1. Brasil. Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer. Estimativa 2016: incidência de câncer no Brasil [Internet]. Rio de Janeiro: INCA; 2015 [citado 2016 Out 25]. Disponível em: http://www.inca.gov.br/estimativa/2016/estimativa-2016-v11.pdf .
2. Brasil. Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer. Diretrizes para a detecção precoce do câncer de mama no Brasil Brasil [Internet]. Rio de Janeiro: INCA; 2015 [citado 2016 Out 25]. Disponível em: http://www2.inca.gov.br/wps/wcm/connect/4da965804a4414659304d3504e7bf539/Diretrizes+Detec%C3%A7%C3%A3o+Precoce+Ca+Mama+2015.pdf?MOD=AJPERES&CACHEID=4da965804a4414659304d3504e7bf539
Câncer

Outubro Rosa | Mamografia

29 de outubro de 2016
mamografia

A mamografia é um exame de raio-X, na qual a mama é comprimida entre duas placas de acrílico para melhor visualização. Em geral são feitas duas chapas de cada mama: uma de cima para baixo e uma de lado. Apesar da compressão da mama ser um pouco desagradável para algumas mulheres, é importante lembrar que ela não é perigosa para a mama. A dose de raios X utilizada nos aparelhos modernos é também muito baixa, e não deve servir de empecilho para a realização do exame.

Fundamental e insubstituível, a mamografia pode detectar nódulos de mama em seu estágio inicial, quando não são percebidos na palpação do autoexame feito pela mulher ou pelo profissional de saúde. Por serem pequenos, esses nódulos têm menor probabilidade de disseminação e mais chances de cura.

Algumas pessoas questionam a realização da mamografia por causa das radiações emitidas.

Existem muitos métodos, como a termografia dinâmica que em breve vamos trazer para o Brasil, mas que funcionam como rastreamento, identificando anormalidades, e a partir disso devemos seguir com os exames mais tradicionais como a mamografia. Ainda acredito e recomendo essa triagem com ela, por sua precisão e por ser o método mais confiável até o momento quando já há a possibilidade de câncer.

Ressalto novamente que a quantidade de radiação das máquinas modernas não é empecilho para a realização do exame e deixo o alerta para pacientes não fazerem além do recomendado e sobre a importância de um acompanhamento médico para que a técnica não ofereça risco e deixe de cumprir o papel.

Existem também vários tratamentos que auxiliam na eliminação de radiação, não só da mamografia, como de eletrônicos e outros. Sempre integramos essas terapias a pacientes em tratamento de câncer.

De toda forma, cada médico tem o seu protocolo, desenhado conforme cada caso, por isso o acompanhamento profissional é de extrema importância.

Imagem: Camile Stumpf
Câncer

Vamos nos informar um pouco mais sobre o Câncer de Mama?

27 de outubro de 2016
cancerdemama

Como o próprio nome diz, este tipo de câncer afeta as mamas, que são glândulas formadas por lobos, que se dividem em estruturas menores chamadas lóbulos e ductos mamários. É o tumor maligno mais comum em mulheres e o que mais leva as brasileiras à morte, segundo o Instituto Nacional de Câncer (INCA).

Segundo o INCA, a Estimativa da Incidência de Câncer no Brasil em 2016, foram esperados 57.960 casos novos de câncer de mama, com um risco estimado de 56,20 casos a cada 100 mil mulheres.

Quando diagnosticado e tratado ainda em fase inicial, isto é, quando o nódulo é menor que 1 centímetro, as chances de cura do câncer de mama chegam a até 95%. Tumores desse tamanho são pequenos demais para serem detectados por palpação, mas são visíveis na mamografia.

O câncer de mama – e o câncer de forma geral – não tem uma causa única.
É um tipo de câncer considerado multifatorial, envolvendo fatores biológico-endócrinos, vida reprodutiva, comportamento e estilo de vida.
Os fatores mais bem conhecidos são:

  • Envelhecimento: idade mais importantes fatores de risco;
  • Fatores relacionados à vida reprodutiva da mulher;
  • História familiar de câncer de mama – entretanto, cerca de nove em cada dez casos de câncer de mama ocorrem em mulheres sem história familiar;
  • Alta densidade do tecido mamário (razão entre o tecido glandular e o tecido adiposo da mama);
  • Alterações em genes – família BRCA, aumentam o risco de desenvolver câncer de mama;
  • A nuliparidade e ter o primeiro filho após os 30 anos de idade contribuem para aumento no risco do câncer de mama;
  • A amamentação está associada a um menor risco de desenvolver esse tipo de câncer.

Outros fatores:

  • Consumo de álcool
  • Excesso de peso
  • Sedentarismo
  • Exposição à radiação ionizante

Fique atenta e cuide-se!
Imagem: Blog JP

Referência consultada:
1. Brasil. Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer. Estimativa 2016: incidência de câncer no Brasil [Internet]. Rio de Janeiro: INCA; 2015 [citado 2016 Out 25]. Disponível em: http://www.inca.gov.br/estimativa/2016/estimativa-2016-v11.pdf .
2. Brasil. Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer. Diretrizes para a detecção precoce do câncer de mama no Brasil Brasil [Internet]. Rio de Janeiro: INCA; 2015 [citado 2016 Out 25]. Disponível em: http://www2.inca.gov.br/wps/wcm/connect/4da965804a4414659304d3504e7bf539/Diretrizes+Detec%C3%A7%C3%A3o+Precoce+Ca+Mama+2015.pdf?MOD=AJPERES&CACHEID=4da965804a4414659304d3504e7bf539
Câncer

Outubro Rosa | Câncer de Mama

25 de outubro de 2016
outubrorosa1

O OutubroRosa é o mês em que o mundo inteiro se une para difundir conhecimento sobre as formas de prevenção do câncer de mama e a conscientização da prevenção pelo diagnóstico precoce. 💕

A prevenção primária do câncer de mama tem como medidas uma alimentação saudável, prática de atividade física regular e manutenção do peso ideal, e segundo o Instituto Nacional de Câncer José de Alencar Gomes da Silva (INCA) essas medidas podem evitar cerca de 30% dos casos. O diagnóstico precoce é uma estratégia para detecção precoce do câncer de mama, é a abordagem das pessoas com sinais iniciais da doença. Outra estratégia é o rastreamento, quando há pesquisa numa população que não apresenta nenhum sintoma, aparentemente saudável, com o objetivo de identificar lesões sugestivas de câncer.

A mamografia é o único exame cuja aplicação em programas de rastreamento apresenta eficácia comprovada na redução da mortalidade do câncer de mama. Portanto se você está na idade recomendada para realização do exame, não esqueça, procure seu médico para realização do exame. No Brasil a mamografia é o método preconizado para rastreamento na rotina da atenção integral à saúde da mulher. – O Ministério da Saúde no Brasil recomenda mamografia bienal para mulheres entre 50 a 69 anos para o rastreamento do câncer de mama. Entretanto o seu médico poderá fazer recomendação contrária a depender de cada caso. Para as mulheres com história familiar de câncer de mama em parentes de primeiro grau – recomenda-se o acompanhamento clínico individualizado.

O exame clínico da mama é usado como método tanto diagnóstico quanto de rastreamento. Como método diagnóstico, realizado por médico para diagnóstico diferencial de lesões palpáveis da mama, é um complemento essencial na investigação diagnóstica de doenças mamárias e o primeiro método de avaliação. No passado a estratégia de autoexame foi muito utilizada. Com o passar dos anos estudos foram feitos e foi identificado que o resultado com essa ação não era satisfatória. Daí a recomendação passou a ser: “Esteja alerta para a saúde das suas mamas”. 👉 Dessa forma o INCA recomenda:

  • Realização da autopalpação das mamas sempre que se sentir confortável para tal (seja no banho, no momento da troca de roupa ou em outra situação do cotidiano);
  • Não recomendação de técnica específica;
  • Valorização da descoberta casual de pequenas alterações mamárias. Portanto se saída de secreção, alteração no formato do mamilo ou da pele. Qualquer alteração que não existia, deve ser comunicada ao médico.

Homens também são vítimas de Câncer de Mama e por isso não se esqueça de que ao notar qualquer sinal de protuberância ou edema (inchaço), pele ondulada ou enrugada, retração do mamilo, vermelhidão ou descamação da pele da mama ou do mamilo, procure um médico!

 

Referência consultada:
1.    Brasil. Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer. Estimativa 2016: incidência de câncer no Brasil [Internet]. Rio de Janeiro: INCA; 2015 [citado 2016 Out 25]. Disponível em: http://www.inca.gov.br/estimativa/2016/estimativa-2016-v11.pdf .
2.    Brasil. Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer. Diretrizes para a detecção precoce do câncer de mama no Brasil Brasil [Internet]. Rio de Janeiro: INCA; 2015 [citado 2016 Out 25]. Disponível em: http://www2.inca.gov.br/wps/wcm/connect/4da965804a4414659304d3504e7bf539/Diretrizes+Detec%C3%A7%C3%A3o+Precoce+Ca+Mama+2015.pdf?MOD=AJPERES&CACHEID=4da965804a4414659304d3504e7bf539